Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Outubro de 2020

Política

Bernal fracassa em tentar redução e Câmara dá a si própria R$ 60 milhões

Com o aumento do número de vereadores na atual legislatura, o reajuste de duodécimo maior ocorreu no ano passado.

Campo Grande News

03 de Janeiro de 2014 - 15:53

O duodécimo da Câmara de Campo Grande para este ano de 2014 foi fixado em quase R$ 60 milhões, o que significou um reajuste de 6,8%. O prefeito Alcides Bernal (PP) tinha tentado dar uma correção muito abaixo da inflação - de apenas 0,97% - no orçamento da Câmara, o que representava um acrescimento de pouco mais de R$ 1 milhão, mas os vereadores rejeitaram e aprovaram emenda que elevou sua receita em R$ 3,77 milhões.

“A correção ficou no mesmo índice de aumento do Orçamento do Município para 2014”, informou o presidente da Câmara de Campo Grande, vereador Mario Cesar, revelando que com isso o duodécimo do Legislativo aumentou de R$ 56,6 milhões, previsto por Bernal no projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), para cerca de R$ 60 milhões.

Na proposta enviada por Bernal, o repasse para a Câmara de Campo Grande neste ano seria de R$ 56,6 milhões, representando um incremento de 0,97% em relação ao valor recebido pelo Legislativo em 2013.

Com o aumento do número de vereadores na atual legislatura, o reajuste de duodécimo maior ocorreu no ano passado. A previsão no Orçamento do Município para 2013 era de um duodécimo de R$ 55.474.000,00, mas as transferências de créditos realizadas pela Prefeitura de Campo Grande somaram R$ 56.224.000,00 ao longo do último exercício.

Além do aumento do número de vereadores, que passou de 21 para 29, também contribui bastante para o aumento das despesas na Câmara a contratação de mais 56 comissionados para os nove gabinetes a mais.

De 2012 para 2013, houve um incremento de 23,81%, já que o duodécimo da Câmara passou de R$ 45.408.000,00 para R$ 56.224.000,00. No ano de 2011, o Orçamento previu duodécimo de R$ 40.408.000,00, integralmente realizado, tendo havido acréscimo de 11,29% no ano seguinte.