Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 27 de Outubro de 2020

Política

Com 21 vereadores de oposição, Bernal diz que terá apoio da Câmara

Ele garantiu ainda que a saúde será prioridade em sua gestão. A proposta é viabilizar por meio de emendas junto à bancada federal a construção de um hospital municipal.

Campo Grande News

29 de Outubro de 2012 - 09:26

Prestes a enfrentar um legislativo municipal onde 72% dos vereadores pertencem à oposição, o prefeito eleito Alcides Bernal (PP) tem como certo o apoio da Câmara Municipal ao seu mandato. “Não tenho dúvida que nós vamos contar com o apoio deles”, afirmou nesta manhã em entrevista ao Programa Bom Dia MS, da TV Morena.

Em sua administração, que inicia no dia 1º de janeiro de 2013, Bernal enfrentará um legislativo formado por 21 vereadores eleitos na coligação que apoiou seu rival nas urnas, o deputado federal Edson Giroto (PMDB). Em sua ampla coligação, os governistas conseguiram a maior parte das 29 vagas na Câmara.

Contudo, a aposta do prefeito eleito é no respeito da classe política do Estado à vontade popular. “Acho que político que se preze tem que defender as pessoas, tem que deixar essas coisas (disputa política) para trás e respeitar a vontade de Campo Grande”, afirmou.

Ele alertou, entretanto, que estará atento à conduta dos vereadores para verificar se seu trabalho está sendo voltado aos interesses da população e não ao seu grupo político. “Não adianta falar que está ajudando Campo Grande e depois ficar boicotando as ações da administração municipal”, adiantou.

Conforme Bernal, os vereadores que não adotarem essa postura durante seu mandato terão suas açõesquestionadas publicamente. “Aqueles que não apoiarem (os interesses da cidade), nós vamos estar mostrando para a opinião pública para as pessoas verem o que eles estão fazendo lá”, garantiu.

Plano de trabalho – Segundo Bernal, com a agenda política cumprida e feita “justiça nas urnas”, o próximo passo será a formação de equipe técnica para auxiliar na fase de transição da administração municipal. Ele não detalhou, entretanto, em quanto tempo isso será feito. “A mudança será feita de forma segura”, declarou.

Ele garantiu ainda que a saúde será prioridade em sua gestão. A proposta é viabilizar por meio de emendas junto à bancada federal a construção de um hospital municipal. “Vamos valorizar os servidores, pedir que eles demonstre cuidado no atendimento à população, e contratar mais médicos, num grande mutirão de saúde que faremos por Campo Grande”, finalizou.