Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Política

Corrupção nos poderes de MS é destaque nacional na retrospectiva do Yahoo!

Midiamax

23 de Dezembro de 2010 - 13:55

O escândalo de corrupção envolvendo os três poderes em Mato Grosso do Sul está em destaque nacional na retrospectiva 2010 do portal Yahoo!, segundo website mais visitado da internet mundial. As denúncias de um suposto esquema de mensalão no Parque dos Poderes vazadas pelo próprio primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de MS, Ary Rigo, está na lista das dez maiores “Vergonhas Alheias” do ano.

A “farra da propina no Mato Grosso do Sul”, conforme citada pelo Yahoo!, ficou em 2º lugar entre as 10 vergonhas do ano. Também estão na lista episódios lamentáveis como as declarações preconceituosas contra garis do jornalista Boris Casoy, e micos internacionais, como a apresentadora de um concurso na tevê que anunciou o nome errado da vencedora, dando o prêmio para a segunda colocada.

Mas, nem mesmo os exageros de Silvio Santos nos galanteios que faz durante o programa dominical, ou a traição conjugal do golfista Tiger Woods, conseguiram ficar à frente das declarações do deputado sul-mato-grossense explicando detalhadamente, sem saber que era gravado durante uma operação da Polícia Federal, como era distribuído o dinheiro público entre membros dos três poderes em MS.

Segundo Rigo conta no vídeo estão implicados no esquema o governador do estado, André Puccinelli (PMDB), deputados estaduais, membros do Poder Judiciário e até do Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul.

Farra da propina no Mato Grosso do Sul

Em uma série de vídeos divulgados pela Internet, o primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado Ary Rigo, 63 anos, revelou como seria a corrupção entre os três poderes sul-mato-grossenses.

O diálogo foi gravado pelo ex-chefe de governo da Prefeitura Municipal de Dourados, Eleandro Passaia, durante a Uragano, operação da Polícia Federal que pôs 28 pessoas na cadeia, entre elas o prefeito de Dourados, Ari Artuzi.

Nas imagens, o primeiro-secretário da Mesa Diretora da ALMS, que justamente lida com o dinheiro do parlamento estadual, diz que a Assembleia repassa R$ 2 milhões por mês ao govenador André Puccinelli (PMDB), e ainda que pagaria ao Ministério Público Estadual para arquivar uma investigação. Até um desembargador do TJ-MS estaria na folha de pagamento do mensalão.

O caso gerou escândalo estadual e nacional, mas pouco foi feito até agora. Apesar dos protestos de diversas entidades, não houve apuração das prestações de contas da Assembleia e nem o sigilo fiscal e bancário do parlamento estadual foi aberto.