Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Outubro de 2020

Política

Partido Solidariedade cresce cada vez mais em Mato Grosso do Sul

A ideia de transformação cada vez mais intrínseca no âmbito social é fundamental para o desenvolvimento da população

Assessoria

14 de Fevereiro de 2014 - 07:35

Durante o 1º Encontro Estadual do Partido Solidariedade, realizado na manhã desta quinta-feira (13) em Campo Grande, foi possível verificar que a proposta de estar junto às classes trabalhadoras e à população, levando ideias novas e proporcionando uma luta pela melhor qualidade de vida dos brasileiros, tem chamado cada vez mais a atenção da população.

Quase 400 pessoas prestigiaram o evento que contou com a presença do presidente nacional do partido, o deputado federal, Paulinho da Força Sindical, do governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), do presidente estadual do Solidariedade, Alessandro Menezes, deputados estaduais, vereadores da capital e de cidades do interior e lideranças sindicais e regionais de todo o Estado.

As adesões ao partido em todo o estado estão em ritmo acelerado devido à capacidade de diálogo democrático entre a população e os demais partidos políticos existentes no país que norteia as diretrizes do Solidariedade. Entre as principais propostas estão a valorização do trabalho, a identificação com a transformação da sociedade, o desenvolvimento de uma política industrial e da geração de empregos e diversas ações voltadas principalmente para o trabalhador.

“Tivemos muito trabalho para montar o partido. Foi muito difícil, mas conseguimos. Atraímos pessoas e lideranças que estavam descontentes com a política e que queria uma nova forma de governo. Os partidos defendem coisas e ficamos imaginando um partido que defendesse os trabalhadores e as pessoas que mais precisam”, contou Paulinho.

Com a força do trabalhador e das pessoas que buscam uma nova política e não medem esforços para construir uma sociedade cada vez mais justa, o Solidariedade está promovendo uma verdadeira revolução na política nacional. Hoje são 25 vereadores em Mato Grosso do Sul e mais de 3.500 em todo o país, 24 deputados federais e um senador.

“Hoje temos pessoas trabalhando em prol das pessoas, sindicatos, trabalhadores, novas lideranças e movimentos cristãos. Agradecemos a confiança que estamos recebendo em todos os lugares e nos movimentamos para ser um dos maiores partidos do Mato Grosso do Sul”, destacou Menezes.

O empresário e professor em Maracaju, cidade a 160 km de Campo Grande, Ariuanã Fernando Silva de Pinho, foi um dos novos filiados durante o evento e ressaltou a importância de se ter um partido com novos ideais. “Não vemos mais um partido que esteja do lado do trabalhador e isso me chamou a atenção. Eles possuem outro pensamento de política e acredito que o Solidariedade irá amadurecer cada vez mais”.

A ideia de transformação cada vez mais intrínseca no âmbito social é fundamental para o desenvolvimento da população. Com este pensamento, a construção de um partido voltado para este pensamento é o que vem convencendo cada vez mais pessoas que querem uma nova política. “Estava filiado a outro partido, mas a ideia totalmente diferente do Solidariedade e a aproximação do deputado federal, Paulinho da Força Sindical, com os trabalhadores está proporcionando uma mudança na aceitação do público com a política. O Mato Grosso do Sul precisa de pessoas assim e é por isso que eu também quero fazer parte dessa nova geração de pessoas que querem o bem de todos com uma nova mentalidade”, definiu o empresário campo-grandense, Amarildo Carvalho.

Com um projeto muito bem definido e pensado em prol da população, de organizações, de sindicatos e da mulher, o Solidariedade abre novos desafios para a política estadual. O apoio dos sindicatos ao partido tem promovido uma nova conversa com os trabalhadores de todo o Estado. “O partido já nasceu do movimento dos empregados e agora tenta resgatar a força política. Com uma direção coesa e democrática, este partido fará um trabalho sério e voltado para todos”, reforçou o presidente da Força Sindical no Mato Grosso do Sul, Idelmar da Mota Lima.