Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Política

Sete suplentes de senadores tomarão posse em janeiro

Dourados News

23 de Dezembro de 2010 - 14:14

Em primeiro de janeiro de 2011, cinco senadores assumem os governos de seus estados - Rosalba Ciarlini eleita para governar o Rio Grande do Norte; Raimundo Colombo será governador de Santa Catarina; Renato Casagrande do Espírito Santo; Tião Viana do Acre e Marconi Perillo, eleito para governar Goiás.

Outro senador deixará de exercer mandato, Flávio Arns, por ter sido eleito vice-governador do Paraná. O mandato do senador tucano Flávio Arns estava prestes a terminar em 31 de janeiro. Com isso, caberá à primeira suplente dele, Danimar Cristina Pereira da Silva, a possibilidade de exercer a função por apenas um mês.

Atualmente Imar, como é mais conhecida, é filiada ao PR e trabalha como assessora parlamentar do deputado estadual pastor Edson Praczyk.

Os cinco senadores eleitos governadores tinham mais quatro anos de mandato e foram forçados a renunciar. O primeiro suplente a tomar posse foi o empresário do setor do comércio e da agroindústria Cyro Miranda, do PSDB de Goiás, no lugar de Marconi Perillo. Nesta última terça-feira foi a vez de Tião Viana renunciar para assumir o governo do Acre e dar lugar ao jornalista e bacharel em História Aníbal Diniz, também filiado ao PT acreano.

Em seu primeiro pronunciamento Diniz se comprometeu a trabalhar pelo sucesso do governo da presidente eleita Dilma Roussef. “Mobilizarei todos os meus esforços para contribuir com a governabilidade necessária para que a presidente Dilma siga em frente com as política de inclusão social, combate à pobreza e diminuição das desigualdades regionais que já produziram tantos resultados positivos durante os oito anos do governo Lula”, afirmou.

No lugar do governador eleito do Espírito Santo ficará a assistente social Ana Rita Esgário, filiada ao PT capixaba. Já na vaga deixada pelo governador eleito de Santa Catarina retorna ao plenário um ex-senador, Casildo Maldaner, do PMDB. Além de trabalhar pelos projetos que deixou no Senado em seu primeiro mandato, Maldaner afirmou que também atuará pela governabilidade e adiantou que tipo de relação entre o Executivo e o Legislativo espera a partir de 2011. “Eu acho que vai ser uma posição de respeito, de tratamento independente entre os poderes o Executivo com o Legislativo, como sói, como deve ser, de acordo com a Carta Magna e de mútuo respeito e de ajuda. Eu acho que é o que interessa ao Brasil. Acho que nós somos um país emergente que faz parte aí dos quatro num crescimento, dos BRICs, aí eu acho que nós precisamos é fazer com que o Brasil chegue, avance cada vez mais”, salientou Maldaner.

O suplente de Rosalba Ciarlini é outro ex-senador e ex-governador Garibaldi Alves, do PMDB-RN. Como Garibaldi Alves Filho foi indicado ministro da Previdência Social, pai e filho não deverão exercer mandato simultaneamente. Quem deve assumir a suplência de Garibaldi Alves Filho é o médico e atual deputado estadual pelo PV potiguar Paulo Davin.

No lugar dos senadores-ministros Edison Lobão e Alfredo Nascimento, reconduzidos respectivamente para ocupar os ministérios de Minas e Energia e de Transportes, retornarão ao senado os suplentes que já exerceram o mandato: Lobão Filho, do PMDB do Maranhão e João Pedro, do PT do Amazonas.