Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 20 de Junho de 2024

Política

Só candidatos de partidos nanicos não tiveram evolução patrimonial

Por outro lado, os candidatos de partidos grandes como PMDB, PSDB e PT obtiveram significativo aumento de bens materiais

Midiamax

09 de Julho de 2012 - 15:41

Dos sete candidatos a prefeito de Campo Grande, apenas os representantes de partidos menores não apresentaram evolução patrimonial, em comparação as eleições anteriores. O funcionário público, Suél Ferranti (PSTU), inclusive, viu seus bens diminuírem de 2008 para cá. O professor Sidney (PSOL), por sua vez, não declarou ter patrimônio. Por outro lado, os candidatos de partidos grandes como PMDB, PSDB e PT obtiveram significativo aumento de bens materiais.

 

Neste ano, Suél declarou à Justiça Eleitoral ter duas casas de madeira e um corcel, que juntos somam R$ 25.166,00. Em 2008, quando concorreu pela segunda vez ao comando da prefeitura da Capital, seu patrimônio era de R$ 41,3 mil. Na época, por exemplo, ele tinha um Fiat Uno ano 2004, orçado em R$ 15,5 mil.

 

Em menor período de tempo, de 2010 para 2012, o deputado estadual Alcides Bernal (PP) viu seus bens aumentarem de R$ 287.374,00 para R$ 1,3 milhão. No período, ele adquiriu uma casa no valor de R$ 700 mil, no Jardim Paulista.

 

Em dois anos, o deputado federal Edson Giroto (PMDB) aumentou seu patrimônio em R$ 262.205,10, ou seja, de R$ 1.767.386,40 para R$ 2.029.591,52. De 2010 para cá, ele adquiriu, por exemplo, dois lotes no Parque Residencial Damha, equivalentes a R$ 138.067,21. No mesmo período, ampliou aplicação no HSBC de R$ 107.216,65 para R$ 221.239.

 

O deputado federal Vander Loubet (PT) dobrou seu patrimônio em dois anos de R$ 595.823,29 para R$ 1.113.263,06. A evolução se deve principalmente a aquisição de imóveis. Em 2010, o petista declarou uma residência de R$ 350 mil. Neste ano, ele informou ter uma casa e uma chácara, que juntas equivalem a R$ 790 mil.

 

O mais rico dos candidatos, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB), de 2010 para 2012, aumentou seu patrimônio de R$ 31.907.386,40 para R$ 32.688.121,00. Entre as aquisições no período, destaque para a compra de uma casa no condomínio Villagio San Marino no valor de meio milhão.

 

O vereador Marcelo Bluma (PV), por sua vez, ampliou seu patrimônio de R$ 816 mil para R$ 1.136.369,87. A evolução se deve, principalmente, a compra de salas comerciais.