Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 19 de Setembro de 2020

Saúde

Sidrolândia compra quase 2 mil kits para diagnóstico rápido de dengue

Com o Antígeno NS1, é possível ter o diagnóstico dessas doenças até o 7º dia após o aparecimento dos sintomas.

Redação/Região News

02 de Março de 2020 - 14:46

Sidrolândia compra quase 2 mil kits para diagnóstico rápido de dengue

Com recursos do Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde de Sidrolândia vai adquirir quase 2 mil kits de testes rápidos para diagnóstico de Dengue, 100 de Zika e outros 100 para Chikungunya. Com o Antígeno NS1, é possível ter o diagnóstico dessas doenças até o 7º dia após o aparecimento dos sintomas, antes mesmo dos anticorpos surgirem.

Basicamente, o diagnóstico da dengue pode ser feito pelo isolamento do vírus, pela detecção do genoma viral, pela detecção de antígenos virais e sorologia (IgG e IgM). No entanto, os anticorpos IgM e IgG somente resultarão positivo após vários dias. Em muitos casos não é possível aguardar esses dias para que um diagnóstico seja definido. Por isso que exames complementares como o hemograma, a contagem de plaquetas, a prova do laço e as transaminases são realizados para auxiliar no diagnóstico.

"Estudos científicos atestam que a pesquisa do antígeno NS1, quando utilizada isoladamente, é capaz de diagnosticar com precisão cerca de 70% dos casos de dengue a partir do primeiro dia. Quando utilizada em conjunto com outros testes, como a pesquisa de anticorpos, diagnostica cerca de 95% dos casos", revela o presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, regional Rio de Janeiro (SPBC-RJ), Hélio Magarinos Torres Filho.

Essa evolução da medicina diagnóstica vem contribuindo para questões importantes relacionadas à dengue, como a epidemiologia. "Os testes rápidos aceleram o diagnóstico específico e facilitam que as ações de controle sejam adotadas imediatamente impactando as ações epidemiológicas", explica o médico pesquisador e chefe da Seção de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas do Instituto Evandro Chagas (IEC), Pedro Fernando da Costa Vasconcelos. "É com base nas informações epidemiológicas que são selecionadas as áreas (estados, municípios) prioritários para as ações de controle com vistas a prevenir a ocorrência de grandes epidemias", ressalta o médico pesquisador.