Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 8 de Março de 2021

Sidrolândia

Empreiteira diz que Prefeitura terá de bancar custo para reforçar drenagem na Rua Luís Bertran

Flávio Paes/Região News

27 de Janeiro de 2021 - 07:26

Empreiteira diz que Prefeitura terá de bancar custo para reforçar drenagem na Rua Luís Bertran
Asfalto na Rua Luís Bertran, no Jardim das Paineiras acabou se desfazendo com o peso da carreta. Foto: Divulgação

A Prefeitura de Sidrolândia terá de bancar a solução para garantir durabilidade e resistência ao asfalto na Rua Luís Bertran no Jardim das Paineiras onde um trecho do asfalto afundou após a passagem de uma carreta carregada com 30 toneladas de carga. Para que o pavimento não volte a solapar (afundar) independentemente do peso do veículo que trafegar por lá, será preciso implantar um sistema de drenagem que mantenha a água que mina do lençol freático que na região é aflorado, 1,5 metro abaixo da superfície.

Pode chegar a R$ 500 mil o custo para executar este projeto, basicamente a construção de um colchão drenante com pedra rachão por onde vai escoar a água que “brota” do solo,  refazer o aterro e a base, além do asfalto nos 330 metros de extensão da rua.

Esta é a solução tecnicamente necessária, segundo Genildo Mendes Gomes, o proprietário da GMC Engenharia empresa responsável pela execução do projeto do asfalto comunitário no Jardim das Paineiras. Ele garante que a empreiteira limitou-se a executar o projeto licitado pela Prefeitura e na época alertou a administração municipal para a necessidade de adequar o projeto com a implantação do colchão drenante, que manteria o lençol freático 1,5 metro abaixo da superfície. Como a intervenção elevaria em R$ 200 mil a contrapartida financeira da Prefeitura, os gestores da época vetaram a drenagem mais reforçada.

Na opinião de Genildo esta área que serviu de traçado da Rua Luís Bertran é de preservação ambiental e pela legislação atual, ali não poderia ser aberta uma rua, muito menos a região ser loteada.

"Vamos procurar a prefeita e discutir o projeto. A nossa parte, quando o tempo permitir, será refazer o aterro e o asfalto, mas sem o reforço na drenagem o problema voltará, independente do peso dos veículos que circularem por lá”, comenta. A combinação de lençol freático próximo à superfície, chuvas quase diárias, compromete o aterro, a base, afundando o asfalto sob o peso dos veículos.

Relacionadas