Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Fevereiro de 2024

SIDROLÂNDIA- MS

Menina de 11 anos, que sofreu queimaduras em incêndio, pode ter sido estuprada

Além disso, a mais velha estava com traumatismo craniano grave, inclusive, com otorragia (sangramento pelo ouvido).

Redação/ Região News

09 de Dezembro de 2023 - 19:09

Menina de 11 anos, que sofreu queimaduras em incêndio, pode ter sido estuprada
O mecânico, L.C.K. Foto: Divulgação

Além de ter provocado o incêndio que causou queimaduras de 3 e 4 graus nas irmãs de 11 e 3 anos que dormiam na casa, agredido  as crianças, o mecânico, L.C.K,  preso como suspeito dos crimes, pode ter abusado sexualmente da menina maior.

A suspeita do estupro foi levantada por um médico da Santa Casa onde ela e a irmã de 3 anos estão internadas. Além disso, ela teve traumatismo craniano grave e  otorragia (sangramento pelo ouvido).

Conforme o boletim de ocorrência, na sexta-feira (8) por volta das 13h50 o médico da unidade hospitalar procurou a Polícia Civil e informou sobre o possível estupro. Não há detalhes do que levantou a suspeita, mas de acordo com o documento, foi colhido material genético da menina que passará por confronto. O Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) para exame de corpo de delito.

Além da suspeita do abuso, as meninas também teriam sido espancadas. A mais velha, teria sofrido traumatismo craniano grave, inclusive, com otorragia (sangramento pelo ouvido). Já a caçula, de 5 anos deu entrada no hospital com inchaços e escoriações no rosto e ferimentos no couro cabeludo. Parte do cabelo foi arrancada.

O suspeito de 24 anos, foi preso na manhã de ontem após fugir de uma equipe policial. Ele estava em um a motocicleta por volta das 9h40 na cidade de Nioaque e quando chegou no cruzamento das ruas Benjamin Constant com a Coronel Juvêncio, acabou caindo e foi algemado pelos militares.

Ele afirmou que fugiu por estar com o licenciamento da moto atrasado e foi levado para a Delegacia de Polícia Civil, em seguida foi liberado. No entanto, horas depois, os militares receberam a informação de que ele era suspeito de ter incendiado a casa onde estavam as meninas e foram até uma oficina mecânica onde ele foi preso.

Ainda ontem ele foi levado para a Delegacia de Sidrolândia. Em depoimento ele afirmou que tinha um relacionamento com a mãe das meninas e que no dia do crime estava em uma oficina ingerindo bebidas alcoólicas. Em seguida foi até o CTG (Centro de Tradições Gaúchas) sozinho.

Depois passou pela rua casa das vítimas e como as luzes estavam apagadas, alega que foi até uma conveniência comprar cigarros e depois voltou para a oficina onde continuou bebendo. A princípio ele está preso pelo incêndio.

Neste sábado (9), a mãe das meninas falou com a imprensa. Durante a entrevista no hospital onde as vítimas estão internadas, ela relatou que namorou com o suspeito por três meses e que ele não aceita o término do relacionamento.

Noite do crime - O caso aconteceu na madrugada de sexta-feira, na Rua General Pinho, no Bairro São Bento, em Sidrolândia. Segundo a mãe das meninas, ela partiu para o trabalho na quinta-feira (7), por volta das 23h, horário que começa o expediente em unidade de indústria de alimentos, e deixou as crianças em casa assistindo televisão.

A mãe também relatou à imprensa que a casa está equipada com câmeras de segurança, operando via Wi-Fi. Durante o expediente, ela monitorava as crianças por meio dessas câmeras e até às 00h20, não observou nada anormal. Somente às 1h10, ela recebeu a notícia por meio de vizinhos.

Ao entrar na casa, o vizinho encontrou a menina de 3 anos na cama, com o corpo em chamas, e a mais velha no sofá, também em chamas, ambas com graves ferimentos na cabeça. Durante esse período, a energia da casa foi desligada, e as câmeras não registraram quem ateou fogo.

Testemunhas relataram ter visto um homem saindo de um terreno ao lado da casa, subindo em uma moto estacionada em frente à residência. Outros vizinhos questionaram o homem, que alegou estar urinando e, em seguida, partiu sem prestar socorro.