Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 20 de Julho de 2024

SIDROLÂNDIA- MS

Motorista morto no Capão Seco seria julgado em fevereiro por tentativa de homicídio

O corpo de Marquinhos foi encontrado na Rua Primavera por volta das 7 horas da manhã de hoje.

Redação/Região News

13 de Junho de 2024 - 15:15

Motorista morto no Capão Seco seria julgado em fevereiro por tentativa de homicídio
Homem foi encontrado morto na manhã desta quinta-feita, no distrito do Capão Seco. Foto: Altair de Abreu/Sidrolândia Agora.

O motorista Marcos de Oliveira dos Reis, que faria 48 anos no próximo dia 17 de julho , foi morto com quatro tiros ontem à noite na Agrovila do Distrito do Capão Seco após sair de uma festa. Ele seria julgado em 14 de fevereiro de 2025 por tentativa de homicídio. O corpo de Marquinhos foi encontrado na Rua Primavera por volta das 7 horas da manhã de hoje.

A tentativa de homicídio que o levaria ao banco dos réus no próximo ano ocorreu há quase nove anos, no dia 13 de outubro de 2015, no interior do Bar do Lindinho, no Assentamento Eldorado 1. Conforme a denúncia do Ministério Público, Marquinhos teria saído em defesa de um amigo com quem estava bebendo no bar, disparando quatro vezes na direção de Edvaldo Diniz Cardoso.

Mesmo baleado na barriga, no braço e na perna, Edvaldo conseguiu sobreviver após quatro dias de internação na Santa Casa, para onde foi levado. O crime foi registrado por volta das 20 horas do dia 13 de outubro de 2015.

A defesa de Marquinhos conseguiu postergar o julgamento dele recorrendo ao Tribunal de Justiça. A denúncia foi recebida em 26 de agosto de 2019 e, no dia 20 de janeiro do ano passado, o juiz Ricardo Sauid pronunciou Marquinhos para ser submetido a júri popular.

O julgamento foi marcado neste ano para o dia 14 de fevereiro de 2025 pelo juiz Fernando Moreira Freitas. O magistrado só pôde agendar o julgamento após a publicação do acórdão da decisão da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Os desembargadores acolheram o parecer do desembargador Jonas Hass Silva Júnior, que rejeitou a tese de legítima defesa levantada pela defesa.