Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 20 de Julho de 2024

SIDROLÂNDIA- MS

Prefeita garante inocência e que não tem envolvimento em suposto esquema de corrupção

A prefeita reiterou seu compromisso com a transparência, a legalidade.

Redação

18 de Junho de 2024 - 07:50

Prefeita garante  inocência e que não tem envolvimento em suposto esquema de corrupção
Prefeita Vanda Camilo. Foto: Marco Tomé/RN.

A prefeita Vanda Camilo em manifestação na tarde desta segunda-feira, garantiu que não foi conivente e nem teve qualquer envolvimento no suposto esquema de corrupção denunciado pelo Ministério Público dentro da Operação Tromper, que  homologou delação premiada do ex-servidor Thiago Basso, tornada pública na última sexta-feira.

“É com tranquilidade e firmeza que venho reafirmar minha inocência em relação às acusações apresentadas na delação premiada recentemente divulgada. As declarações contidas na delação apontam para atos praticados por servidores, que estão sendo investigados pela Justiça”, afirmou. A prefeita garantiu que não tolera e nunca toleraria qualquer ato de corrupção em sua gestão. “Assim que tomei conhecimento dos fatos, agi de forma imediata e enérgica. Todos os servidores envolvidos foram exonerados ou afastados, seguindo rigorosamente os trâmites legais”, assegurou.

É com tranquilidade e firmeza que venho reafirmar minha inocência em relação às acusações apresentadas na delação premiada recentemente divulgada." Vanda Camilo

Vanda Camilo também acrescentou que confia plenamente na Justiça e espera que os fatos sejam esclarecidos e os envolvidos respondam nos rigores da lei. “É evidente que as declarações têm motivações políticas, pois parte de quem é de família com interesses políticos na cidade a anos. Esta é uma clara tentativa de tentar denegrir a imagem do governo, especialmente devido à proximidade das eleições municipais”, argumentou.

A prefeita reiterou seu compromisso com a transparência, a legalidade e o bem-estar da população. “Continuarei trabalhando incansavelmente em prol do desenvolvimento de nossa cidade”, assegurou. Segundo avaliação do criminalista Benedicto Arthur, sem provas físicas, a delação premiada de Tiago Basso contra a prefeita Vanda Camilo não tem peso para um provável indiciamento da chefe do Executivo.

“De fato, ao analisar o trecho da delação que cita o provável envolvimento da prefeita de Sidrolândia, Vanda Camilo, no suposto esquema de corrupção que seria comandado pelo vereador Claudinho Serra, quando comandou a Secretaria Municipal de Finanças, Tributação e Gestão Estratégica de Sidrolândia (Sefate), não tem nenhuma prova apresentada. O que existe, unicamente, é a palavra do delator”, pontuou Benedicto Neto

Entenda

Na última sexta-feira, o juiz Fernando Moreira Freitas da Silva, da Vara Criminal de Sidrolândia, levantou o sigilo da delação premiada do ex-servidor municipal Tiago Basso da Silva ao MPMS com detalhes do suposto ato criminoso comandado pelo vereador Claudinho Serra (PSDB), que está licenciado por 120 dias da Câmara Municipal de Campo Grande.

O acordo de colaboração premiada do ex-servidor foi homologado pelo TJMS em abril e foi mantido em segredo de Justiça, sendo que a promotora de Justiça Bianka Machado Arruda Mendes se manifestou pelo levantamento do sigilo, mas o juiz saiu de férias no início da segunda quinzena de maio.

Porém, ao retornar das férias, o magistrado voltou a receber novos apelos dos réus em ter acesso à delação e, em despacho publicado no dia 14 de junho, acatou o pedido, extinguindo o segredo de Justiça.

“Considerando a ausência de diligências pendentes de cumprimento no presente feito, e ainda, diante do interesse público que paira sobre este expediente, levante-se o sigilo processual anteriormente imposto nos autos. Acoste-se cópia do presente despacho ao feito principal, para fins de conhecimento pelas defesas dos acusados”, determinou Fernando Moreira Freitas da Silva.

Mantida em segredo de Justiça até a última sexta-feira (14), a esperada delação premiada do ex-servidor municipal de Sidrolândia, Tiago Basso da Silva, contra a prefeita Vanda Camilo (PP), sobre o suposto esquema criminoso que seria comandado pelo vereador licenciado Claudinho Serra (PSDB) na prefeitura municipal, trouxe que o “esquema” teria comprado um smartphone da marca Apple para a chefe do Executivo.