Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 22 de Abril de 2021

Sidrolandia

Oficializada exoneração de Di Cezar e demissão de 12 contratados em julho

Com a saída de Di Cezar a Secretaria será extinta, reduzida a um departamento vinculado a Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente

Flávio Paes/Região News

07 de Novembro de 2014 - 08:21

O Diário Oficial desta sexta-feira trouxe a exoneração do secretário de Desenvolvimento Econômico Cezar Luiz Assmann, ex-vereador filiado histórico do PSDB muito ligado ao ex-prefeito Enelvo Felini e a demissão de 12 contratados em julho. Com a saída de Di Cezar a Secretaria será extinta, reduzida a um departamento vinculado a Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente.

A mesma sorte terá o secretário da Juventude, Esporte e Lazer, Clayton Ortega. Dirigente do PSL Municipal, Ortega deixará o primeiro escalão e a Secretaria também será substituída por um departamento vinculado à Secretaria de Educação. Pelo menos dois militantes políticos petistas perderam cargos na administração. Eugênio Wendemberg Neto, que perdeu o cargo na Secretaria da Assistência Social e solicitou licença (sem remuneração) do cargo efetivo até 29 de outubro de 2016, depois da próxima eleição municipal. Eugênio era assessor especial DAS-3, função com salário de R$ 3.853.20. Cristóvão Paz dos Santos, também foi afastado na chefia da Divisão de Vias Públicas da Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Serviços Públicos. Os dois foram candidatos a vereador na chapa dos petistas tucanos. Eugênio teve 272 votos e Cristóvão 153.

Também foi publicada na edição desta sexta-feira a demissão de 12 funcionários, alguns contratados há quatro meses, no início do mês de julho para desempenhas funções como recepcionista, gari, psicólogo e assistente social. O objetivo de mais este ajuste adotado pelo prefeito Ari Basso é reduzir em R$ 600 mil a folha de pagamento, que em outubro atingiu aproximadamente R$ 4,4 milhões.

Além dos contratados, serão demitidos 60 servidores comissionados dos níveis DAS-5 e 6, por recomendação do Ministério Público que entende serem funções reservadas a funcionários comissionados. Este pessoal ganha entre R$ 1.175,10 e R$ 1.285,31.