Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 19 de Maio de 2022

Economia

Antigo prédio do Sidrônio vai abrigar Secretarias e Departamentos para livrar Prefeitura de gastos com aluguel

Cortes das gratificações, redução da jornada de trabalho dos servidores de alguns setores para evitar a incidência de horas extras e outras medidas de contenção, já foram adotadas.

Marcos Tomé/Região News

05 de Novembro de 2015 - 17:00

O prefeito Ari Basso (PSDB) continua adotando medidas drásticas para ajustar as finanças da Prefeitura com o atual cenário econômico turbulento, marcado pelas constantes quedas nas receitas. Pela segunda vez consecutiva, a Secretaria de Finanças e Administração, foi forçado a parcelar o salário dos servidores, o anuncio da medida foi feita hoje pela manhã. No sábado estará disponível o pagamento de 82,45% da folha do funcionalismo que no mês de setembro, fechou em R$ 3.189.781,31 liquido.

Cortes das gratificações, redução da jornada de trabalho dos servidores de alguns setores para evitar a incidência de horas extras e outras medidas de contenção, já foram adotadas, mas é eminente a preocupação com falta de recursos financeiros para pagar o 13º salário. “Não quero que isso ocorra, por isto, estamos enxugando a máquina”, revela o prefeito.

Para Ari Basso, diminuir despesas é a única forma de equilibrar as contas: “Estamos cortando bonificações, alugueis e cortando horas extras", explica. No inicio desta semana, a Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente, entregou o prédio alugado por R$ 2 mil por mês na rua Pernambuco, e passou a ocupar duas salas no antigo prédio da Escola Estadual Sidrônio Antunes de Andrade.

No local, já há outros departamentos em atividade, como é o caso da Central de Regulação, o serviço social da Secretaria de Saúde, Cartão do SUS e a Associação Comitiva dos Amigos, órgãos que funcionavam numa prédio alugado na avenida Dorvalino dos Santos, ao custo de R$ 1.600,00 por mês. Nesta mesma condição esta o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), relocado para o prédio da UBS Malvinas.

O prefeito estuda transformar o antigo Sidrônio num complexo de organismos públicos que vai abrigar Secretarias, Departamentos e Instituições que hoje funcionam em prédios alugados, bancados com recursos do tesouro, como é o caso, por exemplo, do escritório do Incra, que tem um custo mensal de R$ 10 mil para a Prefeitura, que arca com aluguel, energia, água, além de ceder funcionários.

Segundo a secretária de Saúde, Leila Couto, no inicio do mês de dezembro, vai entregar o prédio onde abriga setores de vigilâncias da saúde (Sanitária, Ambiental, Epidemiológica, Controle de Vetores), que hoje funcionam numa casa aluga na rua Paraná ao custo de R$ 1.3 mil por mês. “Estes departamentos também serão transferidos para o prédio do antigo Sidrônio”, informa.

A Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulher, que antes funcionava numa das salas anexa a Secretaria de Desenvolvimento Rural, foi transferida para o prédio da Secretaria de Assistência Social; já o Posto de Identificação que funciona no mesmo local, voltou a funcionar no IML ao lado do hospital Elmiria Silvério Barbosa.