Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 20 de Junho de 2024

Economia

Prefeitura espera economia de R$ 500 mil com demissões e corte de gratificações

Em dezembro, a projeção é que a folha caia mais R$ 150 mil, fechando em torno de R$ 4,1 milhões.

Flávio Paes/Região News

13 de Novembro de 2014 - 13:33

Os ajustes que a Prefeitura de Sidrolândia tem promovido, com demissões, corte de gratificações e extinção de duas secretarias, devem gerar uma economia mensal de R$ 500 mil na folha de pagamento que em outubro chegou a R$ 4.683.138,98. Os cortes fazem parte do pacote de medidas que o prefeito Ari Basso (PSDB) tem tomado para se enquadrar nas normas da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Segundo o secretário de Administração e Finanças, Raul Savaris, esta folha de pagamento corresponde a 52% da receita líquida, dois pontos percentuais abaixo do limite fixado pela Lei de Responsável Fiscal (LRF), mas, comprometimento 4,23% maior que o do primeiro semestre, quando ficou em 49,87%.

Inicialmente os cortes vão gerar uma economia de R$ 350 mil na folha de novembro só com a redução de gratificações, dispensa de médicos e dentistas plantonistas. Mais ainda haverá uma despesa com o pagamento de indenização das exonerações (décimo-terceiro e férias proporcionais). Em dezembro, a projeção é que a folha caia mais R$ 150 mil, fechando em torno de R$ 4,1 milhões.

Como parte das medidas de economia, a prefeitura estuda dar férias coletivas a partir do dia 20 do mês que vem, com a volta do expediente só no dia 5 de janeiro de 2016. Os gastos com pessoal tem se mantido numa gangorra. A Prefeitura fechou o primeiro semestre de 2014, comprometendo 49,87% da receita líquida com salario, reflexo da demissão de 300 funcionários contratados no segundo semestre de 2013 quando o nível de comprometimento superou 54%.

Os gastos com pessoal caíram 8,23%, somando R$ 25.934.100,18 ante os R$ 27.944.383, 83 gastos no primeiro semestre do ano passado. Depois deste ajuste, houve um novo ciclo de contratações, fazendo com que as despesas com salários aumentassem numa velocidade maior que as receitas.