Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 24 de Junho de 2024

Policial

Brasileiros queimados vivos na Bolívia são de Várzea Grande no MT

Midia News

16 de Agosto de 2012 - 07:42

Jefferson Max de Castro Lima e Rafael Dias, queimados vivos em San Mathias, na Bolívia, cidade localizada a 50 km Cáceres (225 km a Oeste da Capital), eram moradores de Várzea Grande, na área metropolitana de Cuiabá.

Familiares de ambos entraram em contato com a Polícia local e disseram que ainda não foram informados, oficialmente, da morte. Eles também não sabem como irão transladar o que sobrou dos corpos.

Os familiares não informaram o que eles foram fazer na Bolívia. Os dois foram queimados vivos após serem retirados à força da cela na qual estavam detidos, na Delegacia da cidade.

Os dois brasileiros são de acusados de triplo assassinato em San Mathias.

A imprensa boliviana informou que a multidão invadiu a delegacia e levou os brasileiros para a rua. Os manifestantes jogaram gasolina em Dias e em Lima e, depois, atearam fogo.

A fúria da população de San Mathas teria começado depois de o chefe de Polícia da cidade, Edwin Rojas, acusou Rafael Dias de ter disparado contra os bolivianos Pablo Parava, Wanderley Costa e Edgar Suárez, depois de uma discussão. Jefferson foi preso suspeito de ser cúmplice do triplo homicídio.

A multidão também incendiou um carro que estava perto da delegacia, por suspeitar que o veículo pertencia aos brasileiros.

De acordo com as autoridades de San Mathas, foi impossível conter os manifestantes, pois há poucos policiais na região.

O Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) informou que o Consulado do Brasil em Santa Cruz de La Sierra, a segunda cidade mais importante da Bolívia, acompanha o caso.

O órgão prepara um relatório sobre o episódio. As informações sobre o caso, segundo o Itamaraty, ainda estão sendo levantadas.