Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Policial

Militar preso tinha plano para matar juízes federais

Dourados News

05 de Fevereiro de 2011 - 11:00

O Bombeiro Militar Ales Marques é considerado uma ameaça à segurança de juízes federais e de outras pessoas, e foi detido no Presídio Militar de Campo Grande O temor cresceu após investigação revelar que, apesar de oficialmente preso, ele foi visto fora do presídio.

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul pediu à Justiça a transferência dele para um presidente federal, preferencialmente fora do estado. O pedido foi ajuizado ontem e divulgado nesta sexta-feira.

De acordo com a assessoria de imprensa do MPF, investigações revelaram que Ales, mesmo preso, arquiteta a morte de algumas pessoas consideradas por ele “inimigos”, assim como juízes federais que atuam nos processos nos quais é acusado de liderar quadrilha de tráfico internacional de drogas. O Ministério Público não divulga o nome das pessoas ameaçadas.

Segundo o MPF, mesmo “preso” desde julho de 2010, o militar acusado de tráfico internacional de drogas e armas continua usando celulares livremente. Um vídeo obtido pela Polícia Federal revela que ele deixou o presídio pelo menos uma vez, no dia 14 de janeiro deste ano, sem algema ou alguma identificação de que é um detento.

Ele saiu em uma viatura da Polícia Militar com um capitão e mais dois policiais para uma “diligência”, até uma chácara de Campo Grande.

Os policiais, segundo o MPF, entraram no imóvel “contra a vontade do ocupante e sem mandado judicial, onde passaram a fazer buscas, sem especificar o que procuravam”.

O Ministério Público solicitou à Polícia Federal providências para resguardar a integridade dos magistrados ameaçados.

Além da transferência, o MPF quer a autorização da Justiça para o compartilhamento de provas com outros órgãos como o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP/MS), Corregedoria da Polícia Militar e a Justiça Militar Estadual e a instauração de inquérito na PF para apuração dos crimes de ameaça e coação contra juízes federais.

Denúncia

Ales Marques foi preso em flagrante em julho de 2010. Ele teve a prisão preventiva decretada em outubro de 2010, durante a operação Maré Alta. O MPF denunciou 18 pessoas da quadrilha, inclusive a ex-mulher e os filhos do militar, que também estão presos. Foram apreendidos, com a associação criminosa, quase 80 kg de cocaína.

Conforme a denúncia, a quadrilha abastecia, em larga escala, os mercados consumidores de drogas de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. A cocaína vinha do Paraguai pela fronteira seca entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã.

Os processos correm na Justiça Federal de Ponta Porã. O acusado responde a duas ações penais, por tráfico e associação para o tráfico transnacional e interestadual de drogas, além de tráfico internacional de arma de fogo.