Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 29 de Novembro de 2020

Política

Bernal afirma que PMDB não terá espaço no secretariado

O progressista frisou apenas a possibilidade de “verificar o que pode ser feito” em caso da constatação de aumentos abusivos

Campo Grande News

12 de Novembro de 2012 - 15:08

Durante o anúncio de sua equipe de transição, nesta segunda-feira, o prefeito eleito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), disse que ainda não pensa na formação de seu secretariado, no entanto, tratou de assegurar que o PMDB não terá espaço.

“Não cogito essa possibilidade”, comentou, ao responder se os peemedebistas poderiam ser incluídos no primeiro escalão, num dos temas abordados durante a entrevista que concedeu aos jornalistas. Ele também voltou a afirmar que não vai mexer no IPTU 2013, classificando o tributo como responsabilidade exclusiva do prefeito Nelson Trad Filho (PMDB).

O progressista frisou apenas a possibilidade de “verificar o que pode ser feito” em caso da constatação de aumentos abusivos. O presidente do grupo de transição, cientista político José Luciano de Matos Dias, por outro lado, afirmou que não há legalidade para que o chefe do Executivo da Capital a partir de 2013 interfira no imposto.

“IPTU a partir de 1º de janeiro é comigo. A responsabilidade do IPTU é do Nelsinho Trad. Ele tem que fazer o papel dele”, afirmou Bernal, destacando que ainda não marcou reunião com Trad.

Durante o anúncio nesta segunda, os integrantes da equipe, formada, além de José Luciano, por Francisco Fausto Mato Grosso, engenheiro civil, consultor em planejamento e professor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), e Vanderlei Ben Hur da Silva, contador, fiscal de rendas e professor universitário, tiveram discursos semelhantes.

Resumiram que suas funções serão promover o levantamento de informações sobre a administração municipal a fim de subsidiar Bernal para que seja possível tomar decisões de imediato, logo que assumir a Prefeitura.

Já o prefeito eleito de Campo Grande disse não esperar ter dificuldades no processo de troca de governo. “Não há motivo para que isto aconteça”, definiu, acrescentando que está atento as decisões recentes da Prefeitura e que seu grupo vai preparar a gestão para os problemas típicos de começo do ano, como ocorrências de enchentes e o combate à dengue.

Ele acentuou também que os próximos passos de seu trabalho é fazer os levantamentos sobre os números da atual gestão, em conformidade com a lei, e, caso encontre irregularidades, vai determinar a realização de auditoria. José Luciano, por sua vez, enumerou 30 dias de trabalho efetivo num processo marcado pelas formalidades de entrega de documentos.

Ainda sobre a equipe revelada nesta segunda, Bernal garantiu que a escolha dos nomes não terá influência na formação do primeiro escalão de seu governo. “Essa equipe é para obter informações. Não estamos apresentando os futuros secretários”. Além disso, pregou que não houve demora no anúncio, bem como negou interferência política na formação.

Sobre a relação com o governador André Puccinelli (PMDB), definiu que será institucional e republicana. “Não acredito ou pelo menos não quero acreditar que ele vá fazer qualquer coisa que prejudique”.

Câmara – Sobre a situação da Câmara Municipal de Campo Grande, que precisa de adequações no prédio para comportar os oito novos vereadores e suas estruturas a partir do ano que vem, Bernal voltou a falar que esse problema é da atual gestão.

“Isso é um problema que se arrasta há muitos anos e o Nelsinho tem que resolver isso. A administração atual é a responsável ela que tome providencias cabíveis”, pontuou. "Espero que resolva de uma vez por todas essa situação. Espero que ele não deixe a capital do estado passar por esse constrangimento”, completou.