Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Política

David Olindo e Ilson Peres, polarizam disputa pela presidência da Câmara

Há quem acredite que o resultado da eleição suplementar de abril de 2013, passe pela presidência da Câmara.

Marcos Tomé/Região News

21 de Dezembro de 2012 - 13:00

Foto: Emmileny Monteiro/Região News

David Moura de Olindo e Ilson Peres 

O advogado Dr. David Moura de Olindo (PR) e o empresário Ilson Peres (PSDB), em campos opostos politicamente, polarizam disputa pela presidência da Câmara Municipal de Sidrolândia. Se de um lado Peres conta a seu favor o fato de seu grupo politico ter elegido 7 vereadores, número suficiente para eleger o presidente, de outro, David conta com a experiência de ter sido eleito para exercer seu 5 mandato, dos quais, presidiu o legislativo diversas vezes.

O prefeito eleito, que foi cassado pelo TSE no último dia 11 de dezembro, Enelvo Felini (PSDB), é de longe o maior interessado em eleger o novo presidente da Câmara que terá pela frente a missão de governar Sidrolândia de forma interina por pelo menos 100 dias, até que o novo prefeito em 7 de abril, tome posse de forma definitiva.

Há quem acredite que o resultado da eleição suplementar de abril de 2013, passe pela presidência da Câmara, isso em decorrência de que o novo presidente ao assumir o cargo de prefeito, terá amplos poderes para nomear secretários, compor o segundo escalão e promover o rateio dos cargos entre os partidos, fato que pode facilitar as negociações.

Diante a missão, é estratégico para ambos os lados com vistas para o pleito de abril, eleger o novo presidente da Câmara. Ilson Peres trata do assunto com certa cautela. Para não se indispor com Enelvo, tem procurado se manter na condição de candidato de consenso do grupo dos 7.

Neste entendimento, a única preocupação de Peres até aqui, fica evidente que se trata da possível preferencia de Enelvo pela esposa, a vereadora eleita, Vilma Felini, que poderia eventualmente “destrona-lo” em razão do poder de articulação do ex-prefeito. Embora uma cortina de fumaça esconda tais interesses.