Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 23 de Julho de 2021

Política

Estado reforça apoio ao produtor para minimizar prejuízos

De acordo com o levantamento da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, toda a área rural de Aquidauana e Coxim foi afetada

MS Noticias

10 de Março de 2011 - 15:00

Mato Grosso do Sul pode ter perda de um milhão de toneladas de soja devido às fortes chuvas das últimas semanas. Durante entrevista coletiva ontem à tarde (9), o governador André Puccinelli disse que a previsão era de 5,5 milhões de toneladas de colheita de soja. Como uma das medidas para ajudar os municípios prejudicados, o governador declarou situação de emergência nas estradas e pontes estaduais danificadas, bem como nas lavouras atingidas, de modo a facilitar o acesso ao crédito para os agricultores e renegociação dos seus débitos.

“O lavrador planta com recursos próprios ou financia nos bancos. Declarar emergência por parte do Estado dá a eles a condição de novos financiamentos. Infelizmente temos previsões catastróficas com a perda de um milhão de toneladas de soja. A super safra não ocorrerá em decorrência de que ela existiu, mas está sendo perdida por causa da chuva”, disse Puccinelli.

De acordo com o levantamento da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, toda a área rural de Aquidauana e Coxim foi afetada. Em Anastácio foram afetados os assentamentos Monjolinho, São Manoel e Colônia Pulador. Foram prejudicados também a área rural de Dois Irmãos do Buriti, Ribas do Rio Pardo, Paranaíba, Bandeirantes, São Gabriel do Oeste e Sidrolândia. Em Rio Verde houve enxurradas e inundações que atingiram a Colônia São Luiz, Barreirinho, Pindaivão, Grotão, Morro das Cruzes, Ipiranga, Colônia Paredes e Serra da Alegria.

Os municípios que tiveram prejuízos nas áreas rurais, como é o caso de Rio Verde e Ribas do Rio Pardo, estão estudando decretar situação de emergência. Mesma condição também para Maracaju, Dourados, São Gabriel, Rio Brilhante e Sidrolândia, que tiveram perda nas lavouras. Já decretaram emergência os municípios de Anastácio e Dois Irmãos do Buriti. Nesta semana devem decretar a medida as cidades de Coxim, Aquidauana e Paranaíba. No total, 67 mil pessoas estão desabrigadas e ou desalojadas nas áreas urbana e rural destes municípios.

Apoio

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo do Estado (Seprotur), Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, o governo do Estado, além do decreto de situação de emergência nas estradas, dará o apoio institucional. Ela explica que o pequeno produtor tem direito ao Programa de Garantia da Atividade Agrícola (Proagro), o que já não acontece com o grande produtor. O agricultor que financiou até R$ 150 mil tem direito ao Proagro.

“Acima de R$ 150 mil não tem direito ao Proagro, ou seja, o grande produtor tem que ter um seguro que faz com empresas particulares e que o governo federal subvenciona 25%. Este seguro é mais um marca passo, então é quando ele perde acima de 70%, senão não vale a pena acionar o seguro”, explica Tereza Cristina.

A complicação, segundo a secretária, além da perda pela falta da colheita, é o problema da qualidade do grão: hoje em torno de 16% a 20% de grãos ardidos (má qualidade). “Para 100 quilos de soja, por exemplo, o produtor vai ter que depreciar o valor dos 80% bons. Vamos fazer uma reunião com todas as empresas, cooperativas, cerealistas para ver o que é possível fazer porque podemos fazer um mix e melhorar essa perda para o produtor. O governo vai ajudar institucionalmente”, comentou.

Tereza Cristina demonstrou preocupação além dos prejuízos com a soja, como o plantio do milho safrinha, que num esforço do governador André Puccinelli e da classe produtora, conseguiu a prorrogação para o dia 20 de março. “Infelizmente na situação atual esta prorrogação não é suficiente. Temos que rezar para sair o sol para colher e em seguida realizar o plantio e torcer mais ainda para que dê o milho e diminuir desta forma o prejuízo tendo uma segunda colheita no inverno”, disse.