Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 20 de Julho de 2024

Política

Lula vai tentar reeleição para impedir volta de negacionista

Sem citar nomes, ele fez referência ao ex-presidente Bolsonaro.

Correio do Estado

21 de Junho de 2024 - 08:15

Lula vai tentar reeleição para impedir volta de negacionista
O presidente Lula (PT) dá entrevista à rádio Verdinha, no Ceará - Foto: Reprodução

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), voltou a admitir, ontem, que pode tentar a reeleição em 2026 para impedir “que um negacionista volte”.

Lula não citou nomes, mas fez referência ao ex-presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL). 
Em entrevista a outra rádio na terça-feira, ele já havia dito que tentaria um quarto mandato “para impedir que um troglodita volte”.

Não tentar a reeleição foi uma promessa de campanha do petista em 2022. Em seus comícios, repetia que só voltou a concorrer para “salvar o país” e, depois, iria descansar junto à primeira-dama Janja da Silva.

Veja a entrevista na íntegra:

Agora, diz que não se lançou candidato, mas tampouco descarta. “Se chegar na hora de decidir, eu perceber que os negacionistas que destruíram esse país, que passaram a ideia para a sociedade de que o que vai melhorar esse país é vender arma para o povo, fazer escola cívico-miltiar, mentir na internet, mentir sobre religião... eu, sinceramente, vou fazer um esforço incomensurável para não deixar um negacionista voltar a presidir”, disse Lula sobre reeleição.

Lula terá 81 anos nas eleições de 2026. De um lado, ele diz se considerar “jovem aos 78 anos de idade”; do outro, tenta mostrar cautela para não queimar largada. “Não posso discutir minha candidatura agora. Já fui abençoado a ter três mandatos”, disse.

Sutilmente, Lula admite uma questão que preocupa o PT: ele não tem sucessor.

O partido avalia que, mesmo que a economia siga engrenando, nomes como os dos ministros Fernando Haddad (Fazenda) ou Rui Costa (Casa Civil) não têm, ainda, força política para ganhar uma eleição nacional.

Ele elogiou seus ministros, mas disse que é preciso avaliar o potencial eleitoral. “Quando você vai definir o potencial de uma candidatura, também vai medir o potencial dos adversários e vai ver, dentro dos candidatos, quem tem mais chance ou não”, admitiu Lula.

A direita e o bolsonarismo ainda não decidiram seu candidato, mas há nomes. Com o ex-presidente inelegível, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) torna-se um dos nomes mais fortes a captar seu capital político. A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) e os governadores Ronaldo Caiado (União-GO) e Romeu Zema (Novo-MG) também são especulados.