Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Política

Marisa Serrano deve ocupar vaga no Tribunal de Contas

As negociações políticas, fechadas esta semana em Brasília pelo governador André Puccinelli (PMDB), no entanto, não irão deixar o PSDB menor no Senado

Correio do Estado

06 de Abril de 2011 - 07:42

Marisa Serrano deve ocupar vaga no Tribunal de Contas
Marisa Serrano deve ocupar vaga no Tribunal de Contas - Divulga

A senadora Marisa Serrano, vice-presidente nacional do PSDB, vai ocupar a vaga de Celina Jallad, falecida no fim de fevereiro, no TCE (Tribunal de Contas do Estado) e deixará os tucanos desfalcados nas eleições de 2012 e 2014. 

As negociações políticas, fechadas esta semana em Brasília pelo governador André Puccinelli (PMDB), no entanto, não irão deixar o PSDB menor no Senado, porque o primeiro-suplente Antonio Russo, trocou o PR pela acomodação do ninho tucano.

Mas não está afastada a hipótese de ele retornar aos quadros do PR para integrar a base aliada da presidente Dilma Rousseff e, também, evitar futuros problema jurídicos, já que foi eleito pelo PR e a Justiça ainda não pacificou entendimento que a vaga percente ao partido.

Pela legislação, caberá a Assembleia indicar o substituto de Celina, embora o nome a ser apresentado poderá vir de fora da  Casa, conforme admitiu Jerson na conversa com os jornalistas.  

Em entrevista ontem à imprensa, o presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos (PMDB), reconheceu que a vaga não precisa ser obrigatoriamente preenchida por um deputado. "É uma indicação política que compete à Assembleia Legislativa", afirmou.

Durante a entrevista, Jerson garantiu  que seu nome não está na disputa pelo cargo vitalício. No entanto, não descartou a possibilidade de vir a pleiteá-lo no futuro, uma vez que duas vagas serão abertas na Corte Fiscal a partir de aposentadorias de conselheiros em 2014. 

 “As discussões estão começando a aquecer. O nome terá de ser unanimidade e consenso”, disse o presidente da Assembleia em tom descontraído, comparando o processo de escolha ao conclave - reunião dos cardeais para a eleição do Papa.

Os deputados estaduais Antônio Carlos Arroyo (PR),  Maurício Picarelli (PMDB) e Júnior Mochi (PMDB) também estão sendo lembrados.