Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Política

PMDB discute critérios de escolha do candidato a prefeito na Capital

Até o presente momento mais de 20 pré-candidatos manifestaram o desejo de disputar à sucessão do prefeito Nelsinho Trad em 2012.

Willams Araújo

18 de Março de 2011 - 10:53

As principais lideranças políticas do PMDB devem se reunir no final da tarde desta sexta-feira para discutir os critérios de escolha do candidato do partido à sucessão do prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad. 

Além do prefeito, devem participardo encontro, que ocorrerá na prefeitura às 17h,  o governador André Puccinelli e os pré-candidatos peemedebistas, vice-prefeito Edil Albuquerque, secretário estadual Carlos Marun (Habitação) e o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Siufi.

Até o presente momento mais de 20 pré-candidatos manifestaram o desejo de disputar à sucessão do prefeito Nelsinho Trad em 2012. 

Esta é a primeira vez que os líderes peemedebistas se reúnem para discutir o processo sucessório na Capital. 

O PMDB deve usar como critério de indicação de seu candidato a realização de pesquisas quantitativas e qualitativas, como costumeiramente tem feito desde a primeira vez que Nelsinho disputou a prefeitura. 

Os líderes do partido também tentam impedir a possibilidade de divisão interna diante das ameaças de Siufi em deixar os quadros da legenda na eventualidade de ser alijado do processo. 

O desejo do presidente da Câmara é participar das eleições de qualquer jeito, mesmo que tenha de procurar abrigo em outro partido. Siufi diz ter sido convidado por vários grupos políticos, entre os quais, o PSB, presidido pelo ex-deputado estadual Sérgio Assis. 

Além de discutir os problemas internos no PMDB, o governador André Puccinelli também tem outras opções para trabalhar dentro de seu grupo político, já que os deputados federais Edson Giroto (PR) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), embora pertencentes a outras legendas, são lembrados para disputar a prefeitura por meio de uma ampla frente compostas por várias correntes partidárias. 

O mais importante para o governador é garantir o controle da prefeitura no maior colégio eleitoral de Mato Grosso do Sul, impedindo que os adversários, no caso o PT, quebrem uma hegemonia de cerca de 20 anos. 

OPOSIÇÃO

Por outro lado, o PT tenta se reorganizar com vistas às eleições municipais de 2012. Os principais líderes do partido ainda não se entenderam desde a campanha para o governo estadual de 2010, da qual saíram derrotados para André Puccinelli, reeleito no primeiro turno da disputa. 

Duas correntes brigam por espaço dentro do partido, uma liderada pelo ex-governador Zeca do PT, e a outra pelo senador Delcídio do Amaral, pré-candidato declarado à sucessão estadual de 2014.  

Apesar do racha, o PT dispõe de algumas peças interessadas em disputar a prefeitura da Capital, como nos casos dos deputados Vander Loubet (federal) e Pedro Kemp (estadual).