Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 13 de Junho de 2024

Agronegócio

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor

A vinda de novos investidores ao Estado está atrelada a expansão da doença greening em São Paulo, que já afetou a produção que é a maior do país.

Redação/Região News

22 de Abril de 2024 - 07:15

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor
Funcionário no pomar de laranjas. Fotos: Bruno Rezende.

A laranja há 22 anos é uma alternativa de cultura para o pequeno produtor Ronie Garcia Ferreira, dono da Fazenda Pouso Alegre, propriedade em Dois Irmãos do Buriti, município vizinho a Sidrolândia.

“Nasci aqui nesta região e moro nessa Fazenda (Pouso Alegre) desde a década de 70. No começo era apenas pecuária e depois agricultura, mas com incentivos dos fazendeiros daqui da região, resolvi plantar laranja. Posso dizer que estou indo muito bem. A minha (laranja) é considerada a mais doce de toda região”, garante.

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor
Ronie Garcia Ferreira, dono da Fazenda Pouso Alegre. Fotos: Bruno Rezende.

Ele tem 38 hectares de produção da fruta, com 10 mil pés de laranja plantados. Seu principal comprador é mercados de Campo Grande, mas já vendeu para Dourados e até São Paulo. “Minha produção aqui é a seco e irrigada, temos até seis pessoas que trabalham de forma fixa, mas na época de grande colheita chegamos a ter 60 funcionários. É um setor que emprega bastante gente”.

“Mato Grosso do Sul é um dos melhores estados para se plantar, tem um clima e toda prevenção contra as doenças. Têm muitas pessoas interessadas em investir no setor da laranja, mas temos vantagem contra a concorrência, com um pomar adulto, com cinco a seis anos na frente”, descreveu.

Garcia diz que na sua fazenda tem várias ações de prevenção contra doenças, como a grenning. “Existe um controle e cuidado, graças a Deus aqui nunca houve nenhum caso, mas temos muita cautela. Recebemos a visita periódica da Iagro e tomamos todos os cuidados necessários”.

Ele conta com três maquinários para fazer colheita, passar a pulverização e carregamento da laranja. Na fazenda as laranjas passam na máquina de polir, antes de serem ensacadas. “Ela fica brilhosa e com ótima textura. Temos hoje um ótimo preço, até pela falta da laranja devido a doença. É um setor em expansão no Estado, mas que precisa se dedicar o ano inteiro”, avisou.

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor
Máquina de polir laranja na Fazenda Pouso Alegre. Fotos: Bruno Rezende.

Cutrale

Gigante do setor, o Grupo Cutrale anunciou investimento de R$ 500 milhões no plantio de 5 mil hectares de laranja no Estado, que serão produzidos na Fazenda Aracoara, que fica às margens da rodovia BR-060, na divisa entre Sidrolândia e Campo Grande.

A empresa que lidera as exportações brasileiras de laranja terá toda sua área irrigada e vai contar com o plantio de cerca de 1.730 milhão de pés de laranja. A previsão é que o projeto tenha um alcance em um raio de 150 km da propriedade, chegando no futuro a 30 mil hectares plantados. Todo este investimento na produção teria como consequência até a instalação de uma futura indústria de processamento de laranja em suco no Mato Grosso do Sul.

Os investimentos seguem em outras cidades. O Grupo Junqueira Rodas começou em abril o projeto de citricultura em Paranaíba, com a intenção de plantar em 1.500 hectares. Já anunciaram que vão produzir em Naviraí no segundo semestre, com mais 2,5 mil hectares.

Para Sarita Junqueira Rodas, CEO do grupo empresarial, o Estado é promissor porque oferece boas condições fitossanitárias. “Estamos convictos em ter estes dois polos no Estado. Aqui tem boas condições (fitossanitárias), ainda preservado de doenças como a greening. Eu vejo aqui com um potencial imenso”. O objetivo deles é que a produção siga aos estados de São Paulo e Paraná.

A citricultura conta com 2 mil hectares cultivados no Estado, no entanto com a chegada de novos produtores e investimentos, esta área deve chegar a 10.300 (hectares) nos próximos anos, o que faz parte da estratégia da gestão estadual de diversificação da cadeia produtiva e econômica do Mato Grosso do Sul.

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor
Funcionários no laranjal. Fotos: Bruno Rezende.

“A citricultura vai bem nas áreas mais arenosas, com menor teor de argila e isso é importante. Como a laranja está vindo com sistemas de irrigação, nós temos aí uma perspectiva de investimentos altos, mas com alta produtividade. Além do clima, solo e áreas disponíveis, notamos em especial a migração de produção de laranjas de São Paulo para MS em função da doença do greening”, explicou o secretário Jaime Verruck, da Semadesc.

A citricultura tem sua atuação de mais destaque na região Leste do Estado, no entanto também vai ocupar a área central, com a chegada da Cutrale. “Muitos investidores estão querendo vir para o Estado. O investimento é alto, seria em torno de R$ 100 mil por hectare para implantar o pomar. Até por nossa legislação rígida, com controle, por isso não dá para começar se não tiver capital e know-how na área”, destacou Karla Nadai, coordenadora da horticultura da Semadesc.

Doença de greening: tolerância zero

A vinda de novos investidores ao Estado está atrelada a expansão da doença greening em São Paulo, que já afetou a produção que é a maior do país. Mato Grosso do Sul tem uma legislação rígida, com “tolerância zero” a doença. Aqui se a planta estiver doente deve ser erradicada e o pomar monitorado.

Em Dois Irmãos, laranja é opção de cultura há 22 anos para pequeno produtor
Fotos: Bruno Rezende.

“Esta doença é endêmica e acabou com os pomares da Flórida, eles operam hoje com 10% do que tinham, que era o maior produtor mundial. O Brasil está colhendo os frutos desta situação, no entanto mais de 60% dos pomares de São Paulo estão comprometidos. Aqui já teve casos, porém isolados”, explicou Nadai.

A coordenadora esclareceu que a doença não prejudicial ao ser humano, mas traz danos enormes para as plantações. Além da citricultura, tem como uma a maior hospedeira a murta. O mosquito transmite a doença e distribui a bactéria pelo pomar.