Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Abril de 2024

Agronegócio

Obras do complexo da Inpasa já estão gerando 1.200 empregos

A partir de outubro, quando começar a funcionar, a planta terá capacidade para produzir por ano 800 milhões de litros de etanol por ano.

Redação/Região News

15 de Fevereiro de 2024 - 08:56

Obras do complexo da Inpasa já estão gerando 1.200 empregos
Complexo industrial da Inpasa terá investimento de R$ 2,3 bilhões - Bruno Rezende.

A Inpasa vai investir R$2,3 bilhões na implantação de um complexo industrial de 170 mil metros quadrados numa área de 97 hectares às margens da BR-060, saída para Campo Grande.

A unidade terá capacidade para processar por ano 2 milhões de toneladas de grãos, 1,5 milhão de toneladas de milho (volume 50% maior que a produção local) e 500 mil toneladas de sorgo, cultura que segundo o presidente do Sindicato Rural Paulo Stefanello, será uma nova alternativa de cultivo para os produtores na entressafra da soja.

Na semana passada, o governador Eduardo Riedel, acompanhado da ministra do Planejamento, Simone Tebet, da senadora Teresa Cristina e do presidente da Assembleia Legislativa, Gerson Claro, esteve no canteiro de obras da Inpasa para a entrega da licença ambiental de instalação da segunda etapa das obras do complexo industrial.

Obras do complexo da Inpasa já estão gerando 1.200 empregos
Governador Eduardo Riedel, Simone Tebet, Teresa Cristina, Gerson Claro, esteve entrega da licença ambiental de instalação da segunda etapa das obras do complexo industrial. Foto: Marco Tomé/Região News.

A partir de outubro, quando começar a funcionar, a planta terá capacidade para produzir por ano 800 milhões de litros de etanol por ano: 450 mil toneladas de DDGS, proteína vegetal livre de enxofre e contaminantes para toda cadeia de nutrição animal, bovinocultura de corte e de leite, suínos, aves, peixes e pets; e óleos vegetais para diversos segmentos, incluindo alimentação animal, humana e para a agricultura; 44 mil toneladas óleo e 400 GWH de energia elétrica, a partir da transformação da água em vapor.

Segundo o vice-presidente da empresa, Rafael Ranzolin, para garantir o cumprimento do cronograma de obras, foram contratados 1.200 funcionários e a previsão é de que haja o recrutamento de mais 800 na fase final do projeto.

A indústria terá 350 funcionários, enquanto o posto de combustível e centro de serviços da Rodobras, vai garantir 110 empregos diretos e 60 indiretos. O início da produção de etanol e a venda no posto de combustível da Rede Rodobras dependerá do licenciamento da Agência Nacional de Petróleo.