Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 13 de Junho de 2024

CAMPO GRANDE

Polícia Federal fecha empresas de segurança privada que atuavam ilegalmente

Em Campo Grande, 16 empresas foram fiscalizadas nesta quinta.

Campo Grande News

24 de Maio de 2024 - 08:33

Polícia Federal fecha empresas de segurança privada que atuavam ilegalmente
Policial federal durante vistoria em estabelecimento. (Foto: Divulgação).

Operação contra atuação ilegal de empresas de segurança privada, deflagrada em todo o Brasil, a "Segurança Legal VIII", fechou dois estabelecimentos clandestinos em Campo Grande, nesta quinta-feira (23). A ação só não foi realizada no Rio Grande do Sul, em razão das enchentes que atingem a região.

Segundo a Polícia Federal, responsável pela fiscalização desses estabelecimentos, foram 16 empresas e 15 vigilantes alvos de vistorias na Capital. "Foram feitos dois autos de encerramento de empresas clandestinas", disse a PF. Dos vigilantes vistoriados, todos estavam em situação regular.

No Brasil, somente empresas de segurança privada autorizadas pela Polícia Federal podem prestar serviços e contratar vigilantes. A operação Segurança Legal é "rotineira" e acontece há 7 anos. Durante os procedimentos, os policiais checam documentações obrigatórias pela Polícia Federal para que empresas e profissionais atuem naquele ramo.

"Você tem um estabelecimento e quer se cercar de mais segurança, então contrata alguém. O que acontece é que por falta de informação as pessoas contratam quem um dia fez um curso de vigilante e não se reciclou", explica a delegada da Polícia Federal, Flávia Renata Matos.

A reciclagem, de acordo com Flávia, é feita a cada dois anos. "O vigilante, quando ele frequenta as escolas, tem aula de tiro, de defesa pessoal e aprende toda a doutrina para atuar na segurança. A carteira dele tem validade de dois anos e é necessária a reciclagem. É um curso diferente para cada ocupação: como a vigilância patrimonial, carro-forte ou segurança pessoal", pondera.